Loreto - Iquitos Principais Atrações Turísticas

Reproduzir vídeo

Loreto - Iquitos, amazing sunset

A Igreja Matriz, na Praça Principal (Plaza de Armas) de Iquitos


A igreja, de estilo neogótico, foi construída entre 1911 e 1924. A sua estrutura, duma só nave, apresenta um púlpito talhado em madeira, do lado direito. Um detalhe interessante é o relógio suíço que foi instalado, em 1925.

Construções Históricas


A cidade de Iquitos guarda entre a exuberância das suas selvas e o rumor misterioso do Rio Amazonas, uma série de joias arquitetônicas que surpreendem o viageiro, tanto pela beleza das suas formas, como pelo particular do seu estilo. São as pegadas do passo dos "Barões da Borracha"; que foram poderosos proprietários de terras que tornaram a selva do Peru num verdadeiro paraíso comercial, ao fim do século XIX. Como parte da herança desta próspera etapa, têm ficado alguns traços de singular desenho, como palacetes ricamente decorados, com azulejos arábicos (Casas Rocha, Morey e Cohen), edifícios de estilo Art Nouveau (O ex Hotel Palace) ou a célebre residência desenhada por Gustave Eiffel, que foi construída com planchas de metal transportadas por centos de homens, a través da selva.

O Molhe Tarapacá ou Boulevard


A uma quadra da Plaza de Armas (Praça Principal), nas beiras do rio Itaya, se encontra o famoso molhe Tarapacá ou Boulevard que data da época do auge da borracha. Foi chamado assim, em memória dos heróis caídos na guerra com Chile. Atualmente, o molhe tem sido remodelado e tem amplas calçadas, pequenas praças, com jardins e uma singular gloria; um monumento à biodiversidade e aos mitos e lendas da região amazônica. Desde ali, a gente tem uma vista panorâmica do Bairro Flutuante de Belén. No recorrido, dá para observar importantes monumentos históricos, restaurantes e cafés.

O Museu Amazônico


Foi construído em 1863. No museu, destaca a sucessão de grandes janelas terminadas em arcos de meio ponto e protegidas por fortes barrotes de ferro, as paredes interiores decoradas com madeira talhada e os móveis desenhados à usança da época. Conserva uma coleção de mais de 80 esculturas de fibra de vidro, de tamanho natural, representando os principais grupos étnicos da Amazônia peruana, brasileira e do Venezuela, junto com fotografias que retratam a história da cidade de Iquitos. O local é compartilhado com o Museu Militar.

O Porto e Povoado de Belén


Estão situados na margem esquerda do rio Itaya, no sul-este da cidade de Iquitos. A sua origem data do inicio do século XX, e estão conformados por vivendas construídas sobre balsas de topa, que flutuam ao nível da água, em época de crescida. Com o tempo, o patrão de construção das vivendas tem mudado por casas fixas construídas sobre postes redondos e pilotes de madeira de até 2 pisos. Na época de vazante, se utilizam os dois pisos, e na época de crescente, se usa só o segundo piso, pois toda a zona baixa de Belén fica inundada e os moradores se mobilizam com botes e canoas, razão pela qual a gente considera a Belén como a Venezia do Loreto, onde se oferecem passeios turísticos de bote, pelos rios Itaya e Amazonas.
Belén compreende duas zonas: A Zona Alta, onde está situado o mercado do mesmo nome, que é o principal abastecedor de produtos da cidade, e a Zona Baixa, com o porto informal e ativo centro do movimento comercial dos produtos da selva. Atualmente, dá para observar construções em material moderno.

O Complexo Turístico de Quistococha


A altura do Km. 7 da Rodovia Iquitos-Nauta, no sul-oeste de Iquitos (30 minutos de automóvel), se encontra a lagoa Quistococha, e nas suas beiras, está situado o complexo turístico que possui uma área de 369 hectares de bosque natural, com uma praia artificial, onde os visitantes podem se banhar, desfrutar o sol, as suas brancas areias e formosas paisagens. Tem passeios de bote a remos pelo lago e caminhadas, nos redores.

O Porto Almendra


A12 kmda guarida de controle do aeroporto de Iquitos (30 minutos de automóvel), tomando o desvio, a100 metrosantes de Quistococha, se encontra o Jardim Botânico Arboretum El Huayo, administrado pelo Centro de Pesquisa e Ensinamento Florestal Puerto Almendra que mantem parcelas, com espécies florestais representativas da Bacia do Nanay, oferecendo circuitos ecológicos, caminhadas e visitas aos campos de cultivo dos moradores da zona.

O Lago Zungarococha


Situa-se a12 kmda guarida de controle do aeroporto de Iquitos (30 minutos de automóvel), na margem direita do rio Nanay, e é ideal para nadar ou passear de canoa, no meio de formosas paragens. Perto do lago, se encontra a pequena lagoa de Corrientillo, onde se oferecem pratos tradicionais.

O Mercado Artesanal de San Juan


Este complexo artesanal produz e comercializa uma grande diversidade de artesanatos próprios da região, como tecidos em fibras vegetais, madeira talhada, cerâmicas diversas com motivos típicos, pinturas em lhanchama (Corteza de árvore), prendas típicas de vestir, artesanato em couro repuxado e bebidas típicas, entre outros produtos. Também, tem um ambiente para exposições da cultura amazônica e um anfiteatro de madeira, para apresentações artísticas.

O Embarcadouro Bellavista Nanay


No norte de Iquitos (10 minutos de moto-taxi), na margem direita do rio Nanay, se encontra este embarcadouro, e desde ali, saem embarcações até diferentes destinos, como a comunidade étnica Boras de San Andrés e as comunidades campeiras de Padre Cocha e Manacamiri, onde se realizam divertimentos tradicionais, para fins turísticos. É possível alugar botes, para dar passeios pelo rio Nanay e visitar as comunidades vizinhas.

Pilpintuwasi a Granja de Mariposas


São palavras em quechua que significam: Casa das Mariposas, e é o refúgio de mais de 40 variedades de mariposas exóticas, voando em liberdade num maravilhoso hábitat rodeado de cachoeiras e flores tropicais. Dá para visitar o lugar e observar o interessante processo da reprodução das mariposas, além de plantas medicinais e ornamentais, assim como diversas aves e espécies de macacos, um tapir, um urso formigueiro e um otorongo.

Boras de San Andrés


Saindo do Porto de Bellavista Nanay, a 20 minutos de deslizador, pelos rios Nanay e Momón, se encontra a população nativa dos Boras, pertencentes à zona do Alto Putumayo, fronteira com Columbia. Migraram ao lugar que atualmente ocupam, atraídos pela exploração da borracha, e ainda conservam os seus costumes, as suas tradições culturais, festas e cerimonias associadas aos seus mitos e lendas. Utilizam a pintura corporal nas danças, sendo a serpente estilizada, o motivo predileto entre homens e mulheres. A Festa do Pijuayo e a Dança da Viga são as festas mais importantes, durante as quais os participantes empregam máscaras que representam seres míticos e dramatizam episódios mitológicos sobre a origem do mundo, do ser humano e da cultura Bora. Na zona, é possível adquirir artesanato local.

Província do Alto Amazonas (Yurimaguas)


Situada a 388 km no sul-oeste de Iquitos, por via fluvial (4 dias), nas beiras do rio Huallaga, se encontra Yurimaguas, rodeada de formosas paisagens. O seu nome se deve às nações nativas Yuri e Omagua que, juntas, formam a palavra Yurimaguas. Lá, a Semana Turística se celebra do dia 5 ao dia 15 de agosto, e a Patrona local é a Virgem das Neves. Nos redores, a gente pode visitar formosas praias (Época de vazante), na quebrada do rio Shanusi. Tem serviços básicos, para atender os turistas.

Lago Rimachi


A545 kmno sul-oeste de Iquitos (13 horas e 30 minutos de deslizador), na bacia do rio Pastaza, afluente do rio Maranhão, se encontra o lago Rimachi, considerado como o maior da Amazônia peruana, com um perímetro de75 km., uma profundeza de10 metrose numerosas ilhas que chegam a ter uma superfície de até 2 hectares. As suas águas são frias e escuras, contendo uma grande riqueza ictiológica, com peixes como o paiche, a gamitana, palometa, o paco, sábalo, boquichico, etc. Também, é possível observar golfinhos, lagartos, repteis e tartarugas taricayas. Nos redores, habitam camungos, shanshos, pinshas, loros e papagaios, assim como otorongos, tigrilhos, veiados, pecaris, macacos, etc. É um lugar apropriado para a pesca esportiva, caminhadas, o rafting e a natação. A comunidade nativa Candoshi, situada perto do lago, realiza trabalhos artesanais em fibras vegetais, madeira talhada, bijuteria e máscaras. Não existem serviços básicos, assim que os visitantes devem levar barracas, comida, etc.

Província de Ucayali (Contamana)


Está situada a431 km. de Iquitos (3 dias), e a 12 horas de bote, desde Pucallpa, na margem direita do rio Ucayali. Em dialeto shipibo, o seu nome significa "Cerro de Palmeiras" e se trata dum dos mais importantes portos fluviais da zona, que oferece serviços básicos, para atender os turistas.

Aguas Calientes


Este lugar se encontra a22 kmno nordeste de Contamana, por trilha carroçável, e oferece umas 20 fontes de águas sulfurosas e ferrosas, com propriedades medicinais e temperaturas que variam entre os 40 e 90º C. Perto destas fontes de águas termais, se encontra uma collpa de papagaios, onde confluem diariamente, importantes bandadas destas vistosas aves, para picotar a terra carregada do enxofre que contem a água da cocha (Lagoa).

Rio Amazonas


O rio Amazonas tem a sua origem a mais de 5.000 m.a.n.m., no Nevado Mismi (Arequipa) e atravessa extensas selvas tropicais, num recorrido duns 4.500 quilômetros. Tem mais de 500 rios afluentes que são navegáveis, uma profundeza media de50 metrose uma largura que varia entre 4 e6 km. Grande parte do seu recorrido não tem um curso definido, pelo que está formado por um conjunto de pequenos cursos que constituem uma rede de canais, com numerosas ilhas. É o rio mais comprido e caudaloso do mundo, que conforma uma enorme rede hidrográfica, única pelas suas dimensões e grande caudal. Foi descoberto em 1542, pelo espanhol Francisco de Orellana.
É mais acessível desde a cidade de Iquitos, por meio do Corredor Turístico do Rio Amazonas que oferece uma grande biodiversidade, e no qual se realizam diversas expedições, em cruzeiros, incluindo visitas à nascente do Rio Amazonas e à Reserva Nacional Pacaya Samiria, e alguns destes chegam até a zona da fronteira com Columbia e Brasil. Também, a gente pode visitar as comunidades étnicas Boras, Yahuas e Witotos de Pucaurquillo, assim como algumas comunidades campeiras. Na zona ao redor, é possível encontrar albergues ecológicos e turísticos, para todos os gostos, tanto para os que procuram uma estadia confortável (Quartos com ar condicionado), como para aqueles dispostos a desfrutar uma aventura extrema. Estes oásis, no meio da imensidade da selva, são os pontos de partida para caminhadas de reconhecimento de plantas medicinais, visitas às comunidades nativas e expedições de observação de aves. Por outro lado, dá para realizar um passeio pelo Canopy Walkway ou a ponte pendurada, acima da copa das árvores, e desde o qual é possível apreciar a beleza da fauna amazônica.

Reserva Nacional Pacaya Samiria


Encontra-se a183 kmno sul-oeste de Iquitos, e a rota mais curta é a de Iquitos a Nauta, por estrada e via fluvial, desde Nauta e até a Comunidade 20 de Fevereiro (15 horas de bote ou 4 horas de deslizador). Para aceder ali, a gente deve solicitar uma autorização do INRENA e pagar os direitos correspondentes. Esta reserva compreende grande parte das províncias de Loreto, Requena, Ucayali e Alto Amazonas, e cobre 2.080.000 hectares, pelo qual é considerada como uma das maiores do país e de América do Sul. Também, é conhecida, como a área de bosque inundável (Varzea), e é protegida. É a região mais extensa da Amazônia peruana, delimitada por dois grandes rios: O Maranhão, pelo norte e o Ucayali – Canal de Puinahua, pelo sul.
Na reserva, existem três bacias hidrográficas: A Bacia Pacaya, a Bacia Samiria e a Bacia Yanayacu-Pucate, assim como numerosas cochas (Lagoas), quebradas, desfiladeiros e tipishcas. Tem uma temperatura media mensal oscilando entre 20 e 33° C, e uma precipitação pluvial anual de 2.000 a 3.000 mm, o qual favorece o desenvolvimento da sua grande diversidade biológica: 449 espécies de aves, 102 espécies de mamíferos (Entre elas, o golfinho rosado), 69 espécies de repteis, 58 espécies de anfíbios, 256 espécies de peixes e 1.024 espécies de plantas silvestres e cultivadas.
A reserva é o refúgio de diversas espécies ameaçadas ou em perigo de extinção, como a charapa (Podocnemis expansa), o macaco maquisapa (Ateles sp.), o lobo do rio ou lontra gigante (Pteronura brasiliensis), o papagaio vermelho (Ara macao) e o cedro (Cederla odorata), entre outras. Do mesmo jeito, existem diversos projetos de proteção e gestão de recursos naturais, como o repopulamento das tartarugas charapas e taricayas, nas praias artificiais da reserva. É impressionante observar a última etapa deste processo, com a liberação das crias nos rios, quebradas ou cochas (Lagos ou lagoas) da reserva, durante a qual destaca uma atmosfera de integração, com a participação da população local. Nos limites de Pacaya Samiria, nas beiras dos rios Maranhão e Ucayali, vivem mais de 42.000 pessoas agrupadas em 94 centros povoados e outras 50.000 habitam os 109 povoados da Zona de Amortecimento. Ali, quase todos se dedicam à pesca, agricultura, colheita e caça.

Reserva Nacional Allpahuayo–Mishana


Esta reserva está situada a 26,5 km de Iquitos pela Rodovia Iquitos – Nauta (30 minutos de automóvel), partindo desde o Porto de Bellavista Nanay, e a2 a3 horas de embarcação motorizada. Com apenas 58.000 hectares, protege a maior concentração de bosques de areia branca ou "varillales", onde vivem numerosas espécies únicas de plantas e animais. Também, protege uma amostra dos bosques inundáveis pelas águas pretas do rio Nanay, que são únicos na Amazônia peruana.
Esta reserva tem uma enorme e peculiar riqueza biológica na qual destacam numerosas espécies de plantas e animais endémicos de distribuição restringida, das quais muitas ainda ficam sem descrição científica. Até hoje, têm-se registrado mais de 1.780 espécies de plantas, 522 espécies de mariposas, 155 espécies de peixes, 83 espécies de anfíbios, 120 espécies de repteis, 476 espécies de aves e 145 espécies de mamíferos, entre as quais destacam duas espécies endémicas de primatas: O guapo equatorial (Pithecia aequatorialis) e o tocón preto (Callicebus lucifer). Continuamente, novas espécies de plantas e animais são descobertas.
Entre as aves, destacam duas dezenas que só habitam em bosques de areia branca e que eram desconhecidas no Peru, até os últimos cinco anos, durante os quais quatro espécies de aves novas para a ciência têm sido descritas, que são associadas com bosques de areia branca (Três espécies de formigueiros: Herpsilochmus gentryi, Percnostola arenarum e Myrmeciza castanea) e uma ave pega-moscas (Zimmerius villarejoi). Tem una quinta que ainda está em processo de descrição: (Polioptila clementsi). A estas, temos que somar outra dezena de espécies de aves desconhecidas antes no Peru, como a bela cotinga (Xipholena punicea) e o manakin (Neopelma chrysocephalum).

Mais sobre  Loreto - Iquitos: